BRASIL SOBE QUATRO POSIÇÕES EM RANKING GLOBAL DE COMPUTAÇÃO EM NUVEM

O Brasil subiu quatro posições em ranking global que avalia as políticas relacionadas à computação em nuvem . O país saltou do 22º lugar, em 2016, para o 18º na edição deste ano com a performance de 2017 no estudo “Tabela de Desempenho Global sobre Computação em Nuvem”, conduzido pela BSA| The Software Alliance.

Apesar do avanço brasileiro, a pesquisa revela, porém, que o ambiente legal e as regulamentações do país para o Cloud Computing ainda limitam inovações.

A Alemanha foi a economia mais bem avaliada graças às suas políticas nacionais de segurança cibernética e à promoção do livre comércio. Ela é seguida de perto pelo Japão e pelos Estados Unidos, segundo e terceiro lugares, respectivamente.

Na lanterna, estão Rússia, China, Indonésia e Vietnã, que contam com abordagens de cloud que vão na contra mão da tendência internacional, limitando a livre circulação de dados.

Os países continuam seus regimes de proteção de dados, caminhando para a liberação dos fluxos de dados transfronteiriços. Entretanto, muitos mercados ainda não adotaram leis de privacidade adequadas.

Mercados emergentes continuam atrasando a adoção de políticas que favoreçam a nuvem. O desenvolvimento da tecnologia é desafiado por regulamentações que impõem barreiras significativas para provedores de serviços na nuvem e exigem requisitos de localização de dados. A situação é agravada pela falta de segurança cibernética.

Países que adotaram políticas de localização pagaram um preço alto. Os requisitos de localização de dados atuam como uma barreira à computação em nuvem, causando impactos financeiros negativos para os mercados locais.

O aumento na implantação de banda larga leva a resultados interessantes. A capacidade de países e empresas de alavancar a computação em nuvem para o crescimento requer acesso a uma rede poderosa. Embora quase todos os países continuem a trabalhar para melhorar o acesso à banda larga, o sucesso desses esforços permanece muito inconsistente, diz o estudo.

 

Fonte:TeleSíntese

Posts Anteriores

  • EMBRATEL E DIGILAB UNIDAS NA DISTRIBUIÇÃO DE VÍDEO EM MULTIPLATAFORMA

    A solução é indicada para pequenas e grandes empresas que buscam otimizar a transmissão de conteúdos a usuários finais. A Embratel e a Digilab anunciam  parceria para a oferta de soluções em Cloud Computing para transmissão de conteúdo audiovisual. Por meio da parceria, a Digilab vai utilizar a solução Cloud Vídeo Delivery Embratel para permitir que os clientes ofereçam a melhor experiência de transmissão de vídeos para seus telespectadores. A parceria busca ofertar a última palavra em tecnologia para  operadoras de TV por assinatura, programadoras, emissoras de TV, universidades, igrejas e TV Web, Assembleias Legislativas e Câmara Municipal.

  • Huawei lança solução de rede óptica com velocidade de 600G

    SEGUNDO A EMPRESA, A SOLUÇÃO AJUDARÁ O SETOR A REDUZIR O CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE A Huawei lançou oficialmente uma solução de rede óptica de ultra velocidade de 600G no quinto Fórum Ultra-Broadband (UBBF 2018). Com base nos mais recentes chips OptiXtreme oDSP da Huawei, a solução oferece um comprimento de onda único com taxa ajustável de até 600G e capacidade de até 40T em uma única fibra.

  • Provedores regionais ultrapassam as 2 milhões de conexões em fibra

    A banda larga fixa mostrou em julho um crescimento mensal em linha com o do mês anterior, novamente graças às adições de três recortes: o grupo de provedores regionais, a fibra ótica e das velocidades acima de 34 Mbps.

  • Roteadores MikroTik são alvos de ataque no Brasil

    Roteadores infectados inserem código em páginas da Internet para forçar PCs das vítimas a minerarem moedas para os hackers.

  • BANDA LARGA BANDA LARGA FIXA: PROVEDORES LIDERAM ADIÇÕES EM JUNHO

    De acordo com dados divulgados pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), o Brasil tinha 30.308.227 assinantes de banda larga fixa em junho de 2018. Significa que houve um aumento de 0,4% na base entre maio e junho, de 121,2 mil. Em relação a junho de 2017, o país experimentou um aumento de 8,98% na quantidade de acessos fixos de internet.

2018-09-21T14:54:52+00:00